Foto
16/06/2017
SINDICATOS (o povo) e CENTRAIS CONVOCAM NOVA MOBILIZAÇÃO PARA O DIA 30 DE JUNHO

As centrais sindicais ( Cut, Força, UGT, CTB, Nova Central, CGTB, Intersindical, CSB - Conlutas e A Pública Central do Servidor), convocam todas as sua bases para o calendário de luta e indicam uma nova Greve Geral dia 30 de junho.

As centrais sindicais irão colocar força total na mobilização da greve em defesa dos direitos sociais e trabalhistas.

A paralização nacional foi aprovada no último dia 5 de junho. Essa mobilização é crucial neste momento em que, mesmo diante da grave crise politica e institucional, com ilegitimidade de um governo, cada vez mais escancarada, os trabalhadores sofrem um ataque brutal nos seus direitos trabalhistas e previdenciários.

Segue-se um atropelo no Congresso Nacional, junto às Comissões de Assuntos Sociais e Constitucional, onde Deputados e Senadores governistas, não escutam nenhum argumento em prol dos trabalhadores.

O relator do processo, tampouco aceita alterações ao texto e recusou mais de 200 emendas sugeridas nas comissões, tudo para acelerar a aprovação e evitar que o projeto tenha de voltar à Câmara, onde ele teve inicio e provado em tempo recorde.

Dia 30 de junho, Mobilização Nacional.

 

 

 

 

Últimas Notícias
Notícia
20/04/2018

Interessante fazer um balanço como o fez a “Folha de S.Paulo” em matéria publicada dia 17 de abril.

Notícia
12/04/2018

Dia 09(nove) de abril de 2018, tivemos finalmente concluída a negociação da CCT da categoria de TURISMO para a cidade de Foz e região. Negociação iniciada em agosto de 2017,

Notícia
09/04/2018

Uma decisão da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-2), que manteve a condenação da M5 Indústria e Comércio – dona da marca M.Officer

Notícia
05/04/2018

Parte do grupo que apeou Dilma Rousseff do poder, empresários, rentistas e banqueiros engrossam o coro pela prisão de Lula, apesar de terem ampliado seus lucros durante as gestões do petista.

Notícia
26/03/2018

Segundo o TRT, a falta da assistência sindical gera apenas uma presunção favorável ao trabalhador. No caso, a empresa apresentou o pedido de demissão assinado pela própria empregada. Esta, por sua vez, não comprovou a coação alegada.