Foto
05/04/2018
Elite anti-Lula destila ódio de classe e tenta manter privilégios

Parte do grupo que apeou Dilma Rousseff do poder, empresários, rentistas e banqueiros engrossam o coro pela prisão de Lula, apesar de terem ampliado seus lucros durante as gestões do petista. De acordo com o sociólogo Robson Sávio Reis, a postura reflete a falta de compromisso das elites econômicas com o país, seu ódio de classe e uma tentativa de manter a agenda neoliberal em curso.

“As elites econômicas não somente não têm projeto para o país, como nunca tiveram preocupação com o povo. Sempre se contentaram de serem subsidiárias do capitalismo internacional. Prova disso tudo é que, nas rupturas democráticas de 2016 e 1964, a Fiesp [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo] e suas instituições satélites estiveram por trás do apoio e do financiamento aos golpes”, diz, em entrevista ao Vermelho.

Nos últimos dias, enquanto uns empresários liberaram seus funcionários para atos contra Lula, outros financiaram aberta ou veladamente campanhas contra o ex-presidente, disfarçadas de defesa da moralidade. Anunciadas como “espontâneas”, manifestações foram convocadas em propagandas pagas – e caras – em diversos veículos de comunicação.

A Fiesp, que esteve na linha de frente do impeachment, estampou a bandeira do Brasil na fachada de seu prédio, na Avenida Paulista, durante o protesto contra Lula nesta terça (3). De acordo com a Folha de S. Paulo, lá perto, a empresária Cleusa Garfinkel, da família dona da seguradora Porto Seguro, pregou que a prisão do líder político deveria acontecer “para moralizar um pouco”.

Há também o tal “mercado”, a celebrar cada derrota de Lula, com dólar em queda e bolsa em alta. A leitura dos agentes financeiros é a de que é preciso preservar a agenda neoliberal e afastar qualquer possibilidade de retomada do projeto popular e inclusivo levado adiante nas gestões petistas.

Uma elite liberal amparada pelo Estado

“Tem uma coisa atravessada dos setores das elites brasileiras em relação ao Lula”, disse Gilberto Gil, em fevereiro deste ano, sobre a situação política do país. O sociólogo Robson Sávio concorda. Ele aponta que o posicionamento anti-Lula do topo da pirâmide social brasileira tem mesmo muito mais a ver com seus próprios interesses que com qualquer razão mais nobre.

Sávio indica as contradições desse extrato social, que apesar de liberal no discurso, depende do Estado quando lhe convém e, apesar de criticar a corrupção no setor público, é muitas vezes o agente dessa corrupção.

“Temos aqui um fenômeno dos mais paradoxais. As elites econômicas são as que mais propagandeiam a ineficiência do Estado e o Estado como algo que atrapalha a economia. Mas esses mesmos empresários dependem o tempo todo do Estado e muitos usam da corrupção de agentes do Estado para favorecer tais empresas. Mais que isso: quando essas empresas têm problemas, como dívidas tributárias, elas cobram que o Estado lhes socorra. Para elas, o Estado não serve para nada, mas serve para favorecer seus interesses empresariais”, critica.

Capitalismo sem consumidores e ódio de classe

Segundo ele, o empresariado nacional é “atrasado” e não percebe que só teria a lucrar com políticas inclusivas que aumentam o poder de compra dos trabalhadores e ampliam o mercado consumidor.

“Ao invés de ter um empresariado que procura melhorar seu sistema de produção, gerar mais empregos, dinamizar a economia, você fica com um esquema empresarial que serve simplesmente para fornecer produtos para 30% da população, que é a classe média. Não se percebe que, no capitalismo, quanto mais consumidores, mais o empresariado ganha e o capitalismo viceja”, afirma.

Para o sociólogo, é essa mentalidade que está por trás da tentativa de tirar o nome do ex-presidente da cena política e, principalmente, da urna. Ao lembrar que, durante as gestões de Lula, a economia cresceu e empresários e banqueiros lucram como nunca, ele avaliou que “só o ódio de classes” pode explicar o atual cenário.

“Foi um momento de grande possibilidade de expansão do parque industrial, dos setores de serviços e comércio, pelo incremento do consumo. Então só se explica pelo ódio de classe. Há uma ideia de que os pobres não merecem participar sequer de uma sociedade de consumo, devem permanecer como cidadãos de segunda categoria, a fornecer mão de obra barata”, condena.

O sociólogo acusou a elite econômica nacional de ser incapaz de crescer incluindo seus conterrâneos nesse processo. “As pessoas, lá fora, às vezes não entendem como pode haver um empresário tão primitivo em termos de conceito, porque são liberais que beiram um ‘iliberalismo’. Não conseguem sequer ser liberais conservadores, no sentido de ampliar a sua base de consumidores, para ampliar sua produção e ganhar mais dinheiro. O que eles querem ganhar é através de benesses do próprio Estado que eles criminalizam e com processos de corrupção nos mais diversos níveis”, coloca.

O sociólogo acusou a elite econômica nacional de ser incapaz de crescer incluindo seus conterrâneos nesse processo. “As pessoas, lá fora, às vezes não entendem como pode haver um empresário tão primitivo em termos de conceito, porque são liberais que beiram um ‘iliberalismo’. Não conseguem sequer ser liberais conservadores, no sentido de ampliar a sua base de consumidores, para ampliar sua produção e ganhar mais dinheiro. O que eles querem ganhar é através de benesses do próprio Estado que eles criminalizam e com processos de corrupção nos mais diversos níveis”, coloca.

 

Fonte: Portal Vermelho

 

 

Últimas Notícias
Notícia
18/07/2018

Hoje no Brasil o desemprego, ou sua ameaça, é o que mais aflige os cidadãos. São mais de 28 milhões vivendo na penúria de não ter seu ganha-pão ou submetendo-se ao trabalho precário.

Notícia
18/07/2018

A nova lei desobriga que as homologações sejam feitas nos sindicatos, mas também não especifica onde devem ocorrer, o que abre brechas para todo tipo de absurdo.

Notícia
13/07/2018

Os brasileiros que se tornaram trabalhadores autônomos – ou seja, sem vínculos empregatícios – nos dois últimos anos tiveram rendimento médio cerca de 33% menor do que aqueles que estavam há mais tempo nesse tipo de ocupação.

Notícia
06/07/2018

“O ministro Marco Aurélio Mello destacou a importância das decisões das assembleias frente a categoria a que representa em seu pronunciamento, assinalando claramente que a definição se dá pela assembleia da respectiva categoria”, destaca o estudo.

Notícia
06/07/2018

Nem todas as pessoas com doenças reumáticas, neuromusculares ou osteoarticulares crônicas ou degenerativas, porém, vão se beneficiar da isenção. Para ter direito ao benefício é preciso que a doença tenha provocado incapacidade para o trabalho.