Foto
01/03/2019
Desemprego sobe no início do ano, e só trabalho autônomo cresce

A taxa média de desemprego no país subiu de 11,7%, em outubro, para 12% no trimestre encerrado em
janeiro, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do IBGE, divulgada nesta
quarta-feira (27). Na comparação com igual período de 2018 (12,2%), ficou relativamente estável. O total de
desempregados aumentou para 12,669 milhões (crescimento de 3,6%), 318 mil a mais em três meses. A
única modalidade de emprego que cresce é a de autônomos (trabalhadores por conta própria). Segundo
o IBGE, o número de ocupados (92,547 milhões) caiu 0,4% no trimestre (menos 354 mil) e cresceu 0,9%
(mais 846 mil) em 12 meses. Mas, ao longo desse período, o que aumentou foram o emprego sem carteira
assinada (320 mil) e, principalmente, o trabalho autônomo (719 mil), enquanto o emprego com carteira
assinada perdeu 380 mil (-1,1%). No último trimestre, a modalidade por conta própria abriu 291 mil vagas.
A taxa da chamada subutilização da força de trabalho – pessoas que poderiam trabalhar mais tempo, mas não
conseguiram – foi de 24,3%, patamar estável ante outubro (24,1%) e acima de janeiro do ano passado
(23,9%). A população subutilizada somou 27,5 milhões, 671 mil a mais em 12 meses. Já o desalento, que atinge
4,7 milhões de pessoas, ficou estável no trimestre e cresceu 6,7% em um ano. São 300 mil a mais nessa
situação, de desistir de procurar trabalho. Os empregados com carteira assinada no setor privado são
32,916 milhões, estável nas duas comparações. E os sem carteira somam 11,307 milhões, caindo no
trimestre e crescendo em um ano. Os trabalhadores por conta própria totalizam 23,901 milhões, crescendo 1,2%
e 3,1%, respectivamente. Entre os setores de atividade, na comparação com janeiro de 2018, a maioria mostra
registra estabilidade, de acordo com o IBGE. O instituto detecta crescimento em modalidades ligadas a serviços (como transporte, armazenagem, hospedagem e alimentação), além da administração pública, saúde e seguridade (540 mil vagas criadas).

A indústria perde 200 mil e o comércio/reparação de veículos, 104 mil. Estimado em R$ 2.270, o rendimento médio cresceu
1,4% no trimestre e ficou estável em 12 meses. A massa de rendimentos, calculada em R$ 205 bilhões, também mostrou estabilidade.
Fonte: Rede Brasil Atual

Últimas Notícias
Notícia
22/05/2019

Simulação apresentada no Senado pela Unafisco prevê que taxa dos bancos aumenta a cada ano, podendo chegar a mais de 77%

Notícia
16/05/2019

“Conheça quem te representa” é o convite feito no mês dedicado à conscientização da importância das boas práticas sindicais, o Maio Lilás

Notícia
08/05/2019

A propaganda tentará convencer a população de que a reforma da Previdência "promoverá justiça social e ampliará a capacidade de investimentos do país, com geração de emprego".

Notícia
03/05/2019

Segundo a jurisprudência do TST, a atividade se enquadra na regra que trata da insalubridade decorrente do contato com agentes biológicos.

Notícia
26/04/2019

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socio-ecômicos (Dieese) lança, nesta quinta-feira (25), novo indicador, como parte das atividades do 1º de Maio das centrais sindicais.