Foto
03/04/2019
Após almoço, Maia acerta com sindicalistas nova redação para MP que travou contribuições sindicais

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, cumpriu o combinado com dirigentes das centrais sindicais brasileiras e assegurou, durante almoço em sua residência oficial, nesta terça-feira 2, que vai trabalhar pela mudança na redação da Medida Provisória que busca dificultar ao máximo o recolhimento das contribuições sindicais.

O texto obriga o desconto por meio de boleto, e não por desconto em folha. Pelo que ficou acertado entre Maia e os dirigentes sindicais, uma nova redação à MP será apresentada até o dia 16. Caso não haja acordo, a disposição do presidente da Câmara é deixar a iniciativa do governo caducar e perder a validade.

“Ficou dentro das nossa expectativas”, afirmou o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna. “Se o texto não ficar de acordo, temos o compromisso de Maia pela morte natural da MP”.

Abaixo, texto anterior sobre o assunto:

 BR: O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, receberá em almoço nesta terça-feira 2 dirigentes de todas as centrais sindicais brasileiras. Articulado com os próprios convidados, ele terá uma boa notícia para dar ao movimento sindical: a medida provisória que barrava o desconto na folha de pagamento das contribuições sindicais, estabelecidas em assembleias de trabalhadores, não será votada pelos deputados, o que irá significar a sua transformação em letra morta. Voltará a valer o desconto em folha, reabrindo, assim, uma torneira de oxigênio financeiro para as entidades sindicais.

“Uma grande injustiça poderá ser corrigida”, afirma o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna. “A intenção da MP era asfixiar financeiramente, ainda mais, as entidades sindicais, acentuando o desequilíbrio nas negociações trabalhistas. Conseguimos reverter esse movimento na Justiça e, agora,

também estamos derrotando o governo politicamente”, completou. A recuperação da antiga forma de desconto das contribuições sindicais pode dar impulso para mobilizações trabalhistas contra a reforma da Previdência, avalia Juruna. “Essa vitória renova os ânimos”, resume o experiente dirigente sindical.

 O anúncio é uma derrota para o presidente Jair Bolsonaro, que não contestou a MP elaborada dentro da equipe econômica do governo. O principal artífice do ataque às finanças dos sindicatos foi o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, velho inimigo dos representantes dos trabalhadores. Marinho foi o relator da reforma trabalhista que, no ano passado, acentuou a precarização das relações de trabalho.

No almoço, os sindicalistas poderão sentir, finalmente, o doce sabor da vitória sobre Marinho. E de virada. Após a edição da MP, grandes sindicatos contestaram seu conteúdo na Justiça, obtendo diversas decisões favoráveis ao desconto em folha. Até mesmo no STF a mudança para o desconto em forma de pagamento via boleto – o que, na prática, inviabilizaria as contribuições – não foi colocado em prática entre os funcionários da Corte.

FONTE:

https://br2pontos.com.br/sindicalistas-conquistam-vitoria-de-virada-sobre-dupla-bolsonaro-marinho/maia-recebe-sindicalistas-em-almoco-para-barrar-mp-que-travou-contribuicoes-sindicais/?fbclid=IwAR1OvZfzmNfVMRmhJkf_mY0ONIeswDg-I8reTj4CuSsOHdOQSGq7We-LQjc

 

Últimas Notícias
Notícia
18/07/2019

Em Foz do Iguaçu, já ocorreram vários casos com relação ao fato narrado por esta decisão. É a chamada “lista negra” de funcionários.

Notícia
15/07/2019

A auxiliar administrativa normalmente era grosseira com todos, porém mais com a autora, pois “se considerava chefe” da auxiliar de limpeza.

11/07/2019

No dia 19 de Junho de 2019 a CCT foi publicada na integra no site e enviado as empresas. Portanto, 20 dias foram dados pra a oposição, que foi até o dia 08 de Julho de 2019.

Notícia
11/07/2019

O texto apresenta algumas mudanças com relação a proposta apresentada pelo governo. No entanto, continua partindo de uma premissa que amplia a desigualdade social no Brasil.

Notícia
08/07/2019

O texto aprovado é fruto de um debate, iniciado por movimentos de mulheres, que começou em 2009, na Confederação Sindical Internacional